quarta-feira, outubro 30, 2013

A incerteza com que se vive em Portugal

O que será preciso para que estes governantes neoliberais, com atitudes ditatoriais, percebam que estão em perfeito isolamento politico, não basta apresentar o argumento de que estávamos na bancarrota ou de que o governo anterior nos deixou assim ou assado, pois se tivéssemos que começar a analisar a “coisa” teríamos de regressar aos tempos da governação de Cavaco Silva.
O que eles estão a praticar já nem ideológico é, parece mais um acerto de contas com o 25 de Abril e o Povo português, pois á muito que passou as marcas da ideologia neoliberal de Milton Friedman.
Com tantos estudos feitos por diversas entidades independentes ou mesmo de cor partidária, como a SEDES, que já em 2012 tinha feito um estudo sobre o Bem estar dos portugueses, neste caso relacionava-se com o impacto da crise na vida dos portugueses.

““O bem-estar subjectivo refere- se às avaliações que os indivíduos fazem das suas vidas – avaliações estas que são tanto afectivas como cognitivas. As pessoas experienciam bem-estar subjectivo (na sua valência positiva) quando vivem muitas emoções positivas e poucas emoções negativas, quando estão envolvidas em actividades interessantes, quando experienciam muitas situações de prazer e poucas de dor, quando estão satisfeitas com as suas vidas. Outros aspectos podem ser levados em conta, com impacto quer na valorização da vida quer na saúde mental, mas o bem-estar subjectivo refere-se à avaliação que as pessoas fazem das suas próprias vidas”. (Ed Kiener, 2000).

No corrente mês saiu novo estudo, com as respectivas críticas ao sistema governativo, com o título

“A incerteza está a minar a confiança dos portugueses, com consequências muito graves para a economia e para o bem-estar da sociedade e dos cidadãos.
Quaisquer decisões, das mais simples, como jantar fora ou mudar de carro, até às mais complexas, como investir num projecto empresarial ou decidir ter um filho, são sistematicamente adiadas.
Esta incerteza é insustentável, tanto do ponto de vista social como económico.”

Mas, não, o caminho para a destruição da economia portuguesa continua com medidas que destroem a credibilidade dos políticos e empobrecem a cada medida mais o Povo, estando mesmo ao alcance de mais medidas recessivas a classe média.
O que é necessário explicar a estes “fascistas” que sem classe média forte não há democracia que resista.


Fiquem bem.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home