domingo, janeiro 11, 2015

Je suis Charlie

Boa tarde!
Não podia deixar de escrever sobre o que se passou nos últimos dias.
E porque o faço?
Não porque seja um assíduo leitor de jornais de cartoon, mas porque sou pela liberdade de expressão e, embora pense que por vezes se estica demais a corda, não encontrei nos ditos cartoons nada que fosse demais para esta violência extremista.
Possivelmente estão a pensar que me estou a por a geito, mas não, não tenho medo de expor as minhas ideias e opiniões.
Sim, hoje vimos convergir para Paris altas individualidades que se solidarizaram com o jornalistas e povo anónimo morto por fanáticos que muitas vezes nunca leram o Corão, e, em nome do Profeta Maomé matam tudo o que lhes parece ser blasfémia.
Mas, gostaria de ter visto estes mesmos políticos e governantes falarem nas bombas que matam crianças em escolas do Paquistão, ou da menina bombista na Nigéria, ou em criar incentivos financeiros para se acabar com a miséria criada pelos muitos ditadores sustentados pelos países ocidentais.
Lembremo-nos de Kadafi, Boumediene, Mobutu, Sadam, entre outros, e que quando deixaram de ser úteis foram apiados do trono, e com isso abriram a caixa de pandora com que vivemos na atualidade.
Mas vamos mais longe, quem criou Osama Bin Laden? o qual criou a Al Qaeda ("A Base"), pois! quando os americanos quiseram derrubar o governo comunista do Afeganistão criaram as "bestas" que hoje são combatidas pelos países ocidentais no Afeganistão, e que nunca conseguiram derrotar os  Talibãs, grupo ironicamente financiado pelos Estados Unidos e Arábia Saudita, aliados desde sempre de Bin Laden.
Quando a chamada "primavera árabe" atingiu a Síria, em tempos aliado dos Americanos no Médio Oriente a diplomacia americana logo vislumbrou um novo meio de derrubar mais um ditador, mas será que era mesmo um ditador? pensemos que sim.
Mas voltemos ao que nos trás aqui hoje.
Será que somos mesmo todos Charlies? Penso que não.
Muitos dos políticos que hoje por Paris percorreram 200 metros o fizeram por medo, não medo de serem executados por um pretenso Xeique do pretenso radical Estado Islâmico (ISIS), mas pelos eleitores que ao longo dos tempos, diria mais, nos últimos anos foram massacrados com as duras politicas de austeridade neoliberais.
Por outro lado os milhões de Povo das mais diferentes raças e religiões que hoje se manifestaram pelas ruas de Paris demonstraram que o seu medo é o de demonstrarem a resistência aos movimentos fanáticos que poluluam pelo mundo, mas meus amigos, não são só os islamitas que provocam o caus pelo mundo, os ortodoxos cristãos, judeus, e outros tipos de terroristas provocam o mesmo caus e medo.
E meus amigos só com a integração das minorias, sem medo, integração essa que só poderá ter bons resultados quando a criação de riqueza for de tal forma em que não exista a escravidão dos trabalhadores em proveito dos muitos ricos que continuam a brotar como cogumelos venenosos pelo mundo.
Quando a miséria do mundo for erradicada, claro que este pensamento não passa de um estado de útopia.
Acabo como comecei.
Fiquem bem

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home